sábado, Agosto 06, 2011

A Resposta...

 Esperei-te à tardinha, depois de um dia cheio.
 Nem sinal de ti.
 Fiquei a pensar que poderia ter-te acontecido algo de grave. Afinal, nunca irias manter-te em silêncio, já que a vontade de estares comigo era enorme, quase igual à minha. Partilhávamos a mesma ânsia de nos reencontrarmos.

Dormi que nem um anjo e acordei serena, confiante, em paz. Sabia que tinha sido uma noite especial.
Não fora imaginação minha ou sonho. Estiveste mesmo aqui!
Ainda sinto o calor dos teus lábios nos meus. Ainda sei de cor a textura da tua pele.
Durante dias questionei-me, tive dúvidas, culpei-me, senti raiva. Tentei entender o que teria feito de mal. Pouco fiz concerteza, porque não voltaste.

Pouco a pouco comecei a acalmar estes sentimentos difusos, que me consumiam demasiado e me ocupavam a  mente vinte e quatro horas por dia.

Continuo a consumir-me. Mas menos.

Queria muito ter sabido o que aconteceu. E de tantos porquês, qual seria o que te levou para longe. Queria ter ouvido as palavrinhas todas, uma por uma.

Devia ter percebido logo que a ausência de resposta é a resposta...

quarta-feira, Julho 13, 2011

Para ti que estás longe

Ainda bem que estás longe.
Ainda bem que estás longe, para não cair em tentação de tentar descobrir esse teu esconderijo. E agarrar-me a ti.
Não sei o que me deu, nem de onde vem esta vontade, quase asfixiante, de querer estar contigo. Deve ser coisa de pele.
Desculpa se te estou a maçar com os meus devaneios e te roubo a paz, mas não podia guardar esta atracção só para mim.
Uma vez mais estás a pensar que sou louca, (só pode!), porque não é possível, não te conheço de lado nenhum. O que é certo é que estou na praia e o que mais desejava era que estivesses colado a mim, a partilhar este sol fantástico.
Ainda bem que estás longe, não suportaria o embaraço de olhar nos teus olhos depois disto.
De repente despi a alma. Expus-me demasiado. É tarde de mais para voltar a ser a estranha que te diz um ‘olá’, de quando em vez.
Ainda bem que estás a quilómetros, porque assim posso fintar a minha timidez, como agora.
Correndo o risco incalculado de poderes nunca mais me falar, apetece-me dizer-te que apetecia que me apetecesses, que me apeteces.
Se isto é loucura –e há um pouco em cada um de nós-, que seja loucura o que sinto porque, ao fechar os olhos, já não estás longe. E é muito bom.

sábado, Julho 09, 2011

Num piscar de olhos tudo o que sempre conheceste pode mudar, fala o tema 'Beautiful Lie' de Keemo. E não nos enganemos acreditando no contrário.
Na verdade, já todos estamos fartos de mentiras. E vêm de todos os lados. Aterram sobre nós como se nos quisessem pertencer. E nós -que procuramos somente sermos felizes- queremos verdade, queremos a pureza das coisas reais. Nada falseado, nada colorido, ilusório ou mascarado. Queremos dias chuvosos, manhãs nubladas, dias cinzentos, se tiver de ser. Queremos noites bem dormidas, consciências tranquilas, sonos calmos, despertares ensonados, dias preenchidos e fins de tarde com sabor a prazer cumprido. É isto, a verdade. Não nos pintem o céu com arco-íris e potes de ouro... E, se a partir de hoje, experimentássemos pôr de lado a mentira em que se transformaram as nossas vidas?

sábado, Setembro 18, 2010

Uma Carta Urgente

Ouço Rosana Arbelo, 'Carta Urgente' enquanto arranho a garganta de saudades tuas.
A saudade é singular mas, neste caso, as minhas são mais que muitas, por isso o uso do plural.
Como digo, sinto saudades. De te ver, de ver-te rir. De fazer-te rir, de quase me fazeres chorar de riso. 
Parece que me fugiste, sem nunca te ter algum dia possuído.
Neste instante, não estou em mim. Estou longe, tão longe quanto a distância que nos separa. 
Estou colada a ti. Partilho o mesmo ar, um tanto ou quanto viciado, enebriados pelo aroma forte e quente da terra. Não estou aqui, porque o meu coração bate a milhas, junto do teu.
E o meu corpo? Sim esse está aqui. Nem poderia ser de outra forma. Oh! pudesse ele estar junto a ti, a tua pele fazer a minha arrepiar...
  

segunda-feira, Julho 12, 2010

Hoje.. era o dia

Queria agarrar-te, virar-te do avesso, apertar-te com força, percorrer cada centímetro da tua pele. Entrar em ti e sugar-te a alma, atraí-la até mim, fazer dela minha, só minha.
Faz mal contrariar as emoções. É o que eu sempre digo...

quarta-feira, Julho 07, 2010

Que Amor é Este?


Tenho alguma dificuldade em respirar neste momento, e não se deve às elevadas temperaturas que se fazem sentir neste Verão.
Estou angustiada. Demasiado, na verdade, para aquilo que já vivi.
Já devia ter aprendido a ultrapassar certas coisas. Já devia ter ganho coragem para dizer aquilo que sinto. Mas parece que os anos passam e nada muda quando o assunto é amar.
É certo que ganhamos mais resistência à dor, mas não a conseguimos evitar. Ninguém consegue. Eu não estou a conseguir...
Só gostava de poder estalar os dedos e ser livre, porque no momento, trago em mim um conjunto de sentimentos que, ao invés de trazerem bem estar, me sufocam.
Se o amor é assim não quero. Prefiro congelar o coração.
Se o amor é assim, onde reside a alegria da reciprocidade, a magia de uma troca de olhares, os dedos que se entrelaçam e que não se querem soltar?

Se o amor é dor não quero, obrigada...

Guardado pra Ti

segunda-feira, Julho 05, 2010

Nunca é tarde

É tarde. Devia estar a dormir e esta brisa quente não me deixa. Empoleiro-me na janela e avisto luzes e carros, ao fundo, apressados. É tarde para te ligar. Se fosse cedo talvez não o fizesse . Hoje apetecia-me dizer-te que te amo tanto e o ar escasseia ainda mais só porque não digo.
''Já fui mais valente!'', penso. Nada a fazer. É tarde...